QUERO FALAR COM CONSULTOR

Apps de delivery dão auxílio em pandemia de coronavírus

Não sabe como conservar alimentos? Neste ebook iremos te ensinar!

Apps de delivery dão auxílio em pandemia de coronavírus

A pandemia causada pelo coronavírus tem mudado a rotina de pessoas no mundo todo. 

O Brasil possui quase 20 milhões de trabalhadores informais, que incluem os que fazem parte das grandes plataformas de delivery.

Mas o número de pedidos por aplicativos de delivery, não para de crescer, já que as pessoas não podem sair de suas casas.

No entanto, se por um lado sobra demanda, por outro, o medo de ser infectado durante as entregas toma conta da maioria dos entregadores.

Como forma de contribuir com a segurança desses trabalhadores, a Rappi, e o iFood e a Uber providenciaram uma ajuda para eles.

Rappi, iFood e Uber – apoio aos entregadores

Muitos comércios estão tendo que fechar as portas, dando lugar apenas para estabelecimentos de primeira necessidade, como bancos, farmácias e postos de saúde.

A recomendação geral é de que as pessoas fiquem em suas casas para evitar o número de contaminações.

No entanto, muitos não compreendem que grande parte da população é autônoma, e se parar, perde o salário para arcar com suas despesas essenciais.

Foi pensando nisso que as plataformas de delivery planejaram uma maneira de auxiliar seus entregadores durante essa fase de crise mundial no food service.

Quando se diz respeito a demanda, não há motivos para temer a falta de trabalho por parte do delivery. 

Abaixo, você vê quais medidas estão sendo tomadas para ajudar quem trabalha na plataforma e está infectado ou em quarentena.

Coronavírus – Medidas da Rappi

A Rappi foi uma das primeiras a se manifestar diante da crise causada pelo coronavírus, e até o momento, vem tendo um grande crescimento em seus pedidos na América Latina.

Para auxiliar seus entregadores, a startup colombiana está distribuindo álcool em gel 70% e máscaras para serem utilizadas no momento da entrega.

No entanto, não divulgou informações sobre ajuda de custo para trabalhadores possivelmente infectados.

Em seu site e app, recomendações sobre prevenção e cuidados estão sendo divulgados.

A plataforma desenvolveu um sistema para captar informações sobre sintomas suspeitos de seus entregadores. 

Além disso, importou centenas de milhares de unidades de álcool em gel e panos desinfetantes para a limpeza dos veículos.

Vale lembrar que a Rappi precisa de seus colaboradores, já que boa parte da população está evitando sair de casa e isso aumenta as entregas.

O aplicativo está incentivando os usuários a optarem pelo pagamento via cartão de crédito através do app para que se tenha menos proximidade dos entregadores.

Desse modo, o processo de entrega fica mais seguro tanto para cliente, quanto para trabalhadores.

Coronavírus – Medidas do iFood

O iFood liberou um fundo de R$1 milhão para auxiliar os entregadores que estão em quarentena por recomendação médica ou confirmados para COVID-19.

Para solicitar a ajuda, é preciso entrar em contato com a plataforma, lembrando que é necessário ter um comprovante médico.

Durante o período em que recebe a ajuda financeira, o entregador terá sua conta bloqueada.

Outra iniciativa muito válida é que a plataforma vai destinar cerca de R$50 milhões para pequenos restaurantes, através de um fundo de assistência. 

O iFood também informou que irá ajudar os negócios menores do setor com o repasse de pagamentos antecipados. 

Antes, os valores adquiridos através dos apps só chegavam aos clientes após 30 dias. Agora, isso poderá acontecer dentro de 7 dias, apenas.

Outra ação adotada pela companhia é a devolução de todo o valor cobrado em taxas sobre o serviço “para retirar”, categoria em que as pessoas solicitavam através do ifood mas buscavam no estabelecimento.

Retirada no balcão também é aposta dos restaurantes

Além do boom no setor de delivery, a retirada balcão também é um estratégia que pode salvar as vendas dos restaurantes.

Dessa forma, o cliente vai até o estabelecimento e retira o pedido já feito, possivelmente, através do iFood.

Assim, os riscos são menores para todos. Menos fila, menos contato e mais agilidade.

Coronavírus – Medidas da Uber

A Uber Eats também se posicionou com medidas para tranquilizar um pouco mais os seus entregadores. Entre elas, o auxílio financeiro por 14 dias em caso de quarentena e contágio.

O valor exato do auxílio não foi informado, mas será calculado em relação ao valor médio que o trabalhador recebe durante este período quando está a ativa.

Já o período determinado para o auxílio, tem relação com o tempo de incubação do novo coronavírus, que apresenta sintomas entre 2 e 14 dias após o contágio.

A plataforma também está tentando conseguir parcerias com indústrias de produtos de limpeza, para manter atualizados os repasses destes produtos para os entregadores.

Além disso, a empresa está motivando seus trabalhadores para fazerem as entregas com o mínimo de contato possível.

Desse modo, o app informa que clientes podem solicitar que as entregas sejam deixadas na porta.

Entregas sem contato, o que é?

Essa hipótese de entrega existe por três fatores. O primeiro, é impedir que o estabelecimento quebre; 

O segundo, é prezar pela segurança do entregador; e terceiro, manter o cliente longe do coronavírus.

Funciona da seguinte maneira: O cliente faz o pedido a partir das plataformas de entrega de  comida convencionais.

Depois, escolhe a opção de pagamento online para que não haja contato com o entregador.

Após, ele solicita por chat que ele deixe o produto à sua porta. Assim, se tem o mínimo de contato possível com quem está entregando o alimento.

As entregas sem contato estão sendo disponibilizadas na grande maioria dos apps de delivery, e representam uma maneira efetiva de diminuir os riscos de contágio pelo coronavírus.

No entanto, além de manter o cuidado na hora de entregar, é preciso manter critérios  rigorosos na hora de preparar as refeições.

A falta de cuidado na cozinha pode por todo o esforço do entregador e das plataformas no lixo.

Isso porque, como já se sabe, uma pessoa pode transmitir a doença mesmo antes dos sintomas aparecerem.

Desse modo, quem trabalha com contato direto aos alimentos, pode acabar se descuidando por não sentir nenhum sintoma, e por isso, acreditar que não está infectada.

Como evitar contaminação no restaurante?

Mesmo que nada suspeito seja notado no seu restaurante, ter atenção a higiene, limpeza de bancadas, lavagem das mãos com frequência e utilização de álcool em gel são medidas indispensáveis.

As grandes plataformas de delivery estão fazendo sua parte para auxiliar restaurantes e entregadores, agora, é preciso contar com o apoio desses estabelecimentos e seus funcionários.

Nesse sentido, estimular o diálogo saudável sobre a atual situação da pandemia, contribui para aumentar a responsabilidade entre todos.

As medidas principais para evitar a circulação do coronavírus no seu estabelecimento são:

  • Lavar as mãos frequentemente utilizando água e sabão;
  • Usar álcool gel antes e depois de utilizar transporte público;
  • Evitar tocar rosto, boca, olhos e nariz;
  • Evitar contato com pessoas doentes;
  • Cobrir a boca e o nariz ao tossir ou espirrar (lenço de papel ou antebraço);
  • Evitar apertos de mãos e contato físico antes da higienização;
  • Limpar objetos de uso diário e frequente, como smartphones, computadores e bolsas.
  • Limpar cuidadosamente embalagens que vieram de ambiente externo;
  • Lacrar embalagens antes da saída da cozinha;
  • utilizar máscara durante o preparo dos alimentos, se possível.

Por que usar campanhas de marketing nesse momento?

Apesar de muitos diminuírem a importância desse fator, estar presente nas redes sociais é fundamental para  ser lembrado pelo cliente.

Se  o seu estabelecimento não é de grande porte, ou seja, um restaurante com poucas unidades, de bairro ou até uma lanchonete, é preciso ter o apoio dos clientes.

Para isso, conquistar um espaço na internet é uma boa opção. 

O momento é de incertezas para o setor de food service, por isso, é importante deixar claro aos seus fregueses que é hora de apoiar os empreendimentos menores.

Isso porque, em crises como essas, os restaurantes pequenos são os primeiros a sofrer impactos.

Nesse caso, a dica é usar o espaço virtual para falar sobre coronavírus, prevenção, sintomas e informações diversas.

Mas acima de tudo, divulgar seus produtos, promoções e ações feitas para manter seu local de trabalho seguro contra a COVID-19.

 

Como Conservar Alimentos Corretamente