QUERO FALAR COM CONSULTOR

Capital de Giro: O que é?

O que é Capital de Giro?

O Capital de Giro, também chamado de Capital Circulante Líquido, é o valor que o negócio necessita para fazer todas as atividades de cunho econômico.

Ele corresponde a todos os bens e direitos de curto prazo da empresa que podem se transformar em caixa em até um ano.

Este período de tempo não é nenhuma regra obrigatória.

Mas em alguns negócios o ciclo de vendas ou de produtividade pode ultrapassar este prazo.

Todavia, é bom saber que ele funciona como um demonstrativo relativo a quantidade de dinheiro reserva para investimentos.

Lucro

Um negócio para lucrar, precisa ter gastos anteriormente.

Dessa forma, é comum que o local acabe com dívidas a receber de clientes e com fornecedores para pagar em prazos diferentes.

Em casos como este, pode acabar sendo necessário para pegar dinheiro emprestado para repor a diferença.

Mas, esse não é o único componente que uma empresa necessita. 

Há outras faltas, que precisam de financiamento, para que a operação continue.

Como funciona o Ativo Circulante?

Um deles, inclusive, é o estoque, que é um dos elementos chamado de ativo circulante.

Esses elementos são todos os bens e direitos que circulam dentro do período de um ano, como as contas a receber, por exemplo.

Desta mesma forma, o estabelecimento também tem os passivos circulantes, que todas as obrigações devem ser pagas dentro de um ano.

O mais comum disso, são as dívidas com fornecedores, mercadorias e matérias-primas.

Qual é a importância do capital de giro?

Na primeira fase do empreendimento, que é durante o planejamento, poucas pessoas se lembram da importância dessa ferramenta.

O maior benefício dele é a representação do quanto a empresa pode dispor para sanar suas contas e obrigações.

Toda a empresa que trabalha com um capital de giro baixo, acaba com um risco financeiro maior.

E isso acontece porque não conseguem se preparar muito bem para despesas inesperadas ou recessões, por exemplo.

Com isso, é possível dizer que capital de giro está diretamente ligado com a saúde financeira de um negócio.

Então por isso é de extrema importância ter conhecimento para fazer o cálculo dele e manter o seu fluxo sempre alto.

Qual o Capital de giro ideal?

Outra dúvida frequente sobre o capital de giro é em relação a quantidade dele.

O ideal é ter uma boa quantia reservada para o capital, pois isso ajuda a empresa a manter a atividade e obrigações em dia.

Neste cenário, é bom que exista um planejamento de, pelo menos, seis meses.

Então, se o seu negócio tem uma despesa mensal de R$ 20 mil, é recomendado ter, no mínimo, seis vezes esse valor como capital de giro, que seria R$ 120 mil.

Isso é como uma segurança para o empreendedor e os gestores. Sem contar que é um dinheiro útil para as horas de emergência.

Como o capital de giro é calculado?

Depois de saber exatamente o que é e entender como o capital de giro funciona, é importante ter conhecimento sobre o seu cálculo.

Para calcular corretamente o capital de giro líquido (CGL), é preciso subtrair o passivo circulante (PC) do ativo circulante (AC).

CGL = AC – PC

Passivo circulante: são todas as despesas e custos fixos, previsíveis ou programados (contas a pagar, salários, aluguel e afins).

Ativo circulante: recursos disponíveis ou que são convertidos, como valores em contas bancárias, aplicações financeiras e contas a receber.

É comum que algumas instituições financeiras considerem o valor do capital como um fator de risco.  

Os estabelecimentos que não trabalham com um valor alto ou que seja o suficiente, têm menos chances de inadimplência.

Por isso é fundamental que a sua empresa esteja devidamente preparada para momentos sazonais.

Mantenha a atenção redobrada com isso, principalmente nos primeiros meses, quando boa parte do faturamento é destinada para o pagamento de investimentos.

Como calcular capital de giro líquido (CGL)?

Para quem não sabe, existe ainda o capital de giro líquido, que é quando o ativo circulante e o passivo circulante são levados em conta num negócio.

Esses conceitos são formados a partir de receitas e despesas financeiras e operacionais.

Ou seja, é com a diferença entre eles que é calculado o capital de giro líquido.

O resultado deve indicar quanto a empresa ainda tem de recursos para receber sobre o que precisa em um prazo curto.

Quando se trata de prazos médios de estocagem, por exemplo, o volume e o custo de vendas, pagamentos e compras, exercem influência no CGL.

A diferença nos valores pode acabar sendo alta, então é bom ficar sempre monitorando a movimentação.

Isso serve para que você não seja pego de surpresa e tenha resultados negativos que afetem a sua empresa.

Diferença do fluxo de caixa e do capital de giro

Quando se fala em capital de giro, muita gente acaba confundindo com fluxo de caixa, que é uma outra funcionalidade.

O fluxo de caixa é um meio de gerenciar o dinheiro e que represente todo o movimento de entrada e de saída do dinheiro.

Sempre que entrar mais dinheiro do que pagou, significa que ele está positivo. Mas, caso aconteça o oposto, quer dizer que está negativo.

E o capital giro é a diferença da entrada e saída, ou seja, o todo o valor disponível para ser usado.

É indicado que você esses dois métodos para manter a saúde financeira da sua empresa, até porque essas duas técnicas se completam.

Qual a diferença entre Capital de Giro e Patrimônio?

Na verdade, esses dois conceitos são muito semelhantes, quando falamos sobre questões contábeis.

Entretanto, é preciso ficar atento: o capital se refere a todas as funções e termos já descritos.

Já, quando falamos de Patrimônio, ele se refere apenas a bens, direitos e obrigações ligados a indivíduo.

Entretanto, mais do que confundir Capital e Patrimônio, não confunda dinheiro com Capital.

Baixe a Planilha de fluxo de caixa diário