QUERO FALAR COM CONSULTOR

Como faço para gerar a segunda via de Nota Fiscal eletrônica?

Como emitir a segunda via da Nota Fiscal Eletrônica?

Se você adquiriu um produto e ele, por algum acaso, apresentou defeito e ainda está dentro do prazo da garantia, o item tem direito a assistência técnica.

Entretanto, é necessário que você tenha em mãos a sua nota fiscal, para comprovar a compra da mercadoria pelo fornecedor.

Caso não tenha mais este documento, saiba que o estabelecimento pode emitir uma segunda via desse recibo fiscal.

Não há nenhuma lei que estabeleça esta obrigatoriedade. Mas, para a empresa não vai ter gastos e, também, realizar isso ajuda a manter uma boa relação com seu cliente.

Esta nova emissão deve ter os mesmos dados que foram inseridos na primeira emissão. Então devem ser colocadas informações, como:

  • Marca;
  • Tipo;
  • Modelo;
  • Espécie;
  • Quantidade do produto.

Além disto, é importante que sejam colocadas as informações da empresa que realizou a venda ou prestou o serviço:

  • CNPJ;
  • Endereço;
  • Telefone.

Segunda via Nota Fiscal Eletrônica

Apresentar a nota é importante na hora de realizar uma troca ou requisitar o suporte da assistência técnica, para comprovar a data da compra do produto.

A empresa não poderá fazer a cobrança dessa outra emissão solicitada pelo cliente.

E o tempo que o consumidor poderá solicitar a segunda via é de cinco anos. Esse é o tempo que as empresas devem guardar as Notas Fiscais.

Mas, caso o estabelecimento se negue a enviar ao cliente a segunda via, ele pode solicitar a Secretaria da Fazenda do Estado, pois ela recebe esses documentos.

Por quanto tempo se guarda a Nota Fiscal Eletrônica?

O ideal é que você arquive o documento pelo período em que a mercadoria estiver dentro da garantia. Mas o interessante mesmo é que se guarde por toda a vida útil do produto.

E se você fizer todas as tentativas para recuperar esse recibo fiscal e mesmo assim não conseguir fazer a emissão da segunda via, a assistência ao produto deve ser feita.

Isso acontece, porque é possível conseguir informações do produto de outras maneiras.

Pode-se descobrir a procedência da mercadoria a partir de por meio do número de série e até mesmo do código de barras, que normalmente está no embalagem do item.

O fornecedor só pode se abster de dar o suporte técnico ao cliente, caso identifique que a mercadoria não foi adquirida em seu estabelecimento.

Além disso, se você encontrar a nota ou a segunda via estiver com dados errados, não poderá ser responsabilizado por isto.  

Quem deve inserir as informações corretamente é o estabelecimento.

Como funciona a Nota Fiscal Eletrônica?

Quem fiscaliza e é responsável por regulamentar as Notas Fiscais, são os Estados. Portanto, pode haver diferenças nos processos de um lugar para outro.

O estabelecimento, sempre que emitir um documento fiscal deve inserir os dados do produto comercializado.  

Nesse recibo fiscal, também sempre deve conter os dados do estabelecimento que fez a venda, como:

  • CNPJ;
  • Endereço da empresa;
  • Data da venda;
  • Descrição da venda;
  • Valor total.

Certificado digital da Nota Fiscal Eletrônica

O Certificado Digital surgiu para dar maior segurança nas transações digitais, referentes a recibos fiscais. Foi uma solução para evitar fraudes.

O certificado digital ele tem a mesma ideia de uma assinatura. Dessa forma, ele dá a segurança necessária para ter certeza de que as informações no documento estão corretas.

Mas há dois tipos de certificado, o A1 e o A3. Vamos entender o que é cada um deles.

Certificado Digital A1: é um arquivo digital, que pode ser instalado no computador principal ou em emissores de documentos fiscais. É válido por 1 ano.

Certificado Digital A3: diferente do anterior, é um dispositivo físico, que deve ser arquivado em um token ou smartcard. É válido por 2 ou 3 anos.

Quais os benefícios da Nota Fiscal eletrônica?

Emitir a nota fiscal traz utilidades benéficas, tanto aos clientes, quanto aos estabelecimentos que fazem a venda do produto.

Confira algumas vantagens que empresas têm ao emitir esse registro:

  • Diminuição dos custos: isso ocorre, pois o estabelecimento não precisa ter equipamento para emitir a NFCe, pode utilizar qualquer tipo de impressora, menos gastos com papel, entre outras;
  • Instantaneidade na transmissão da NFCe;
  • Expansão de PDV’s sem necessitar da autorização do Fisco;
  • Emissão de um recibo fiscal, se houver pedido do cliente, com resumo das informações;
  • Integração de plataformas de vendas físicas e virtuais.

Agora confira algumas vantagens que o consumidor tem ao exigir a emissão:

  • Pode verificar a sua NFCe impressa ou na internet, pelo SEFAZ;
  • Receber o DANFE, uma via mais simplificada da NFCe, via e-mail ou SMS;
  • Maior segurança em relação as suas compras.

Não são apenas os consumidores e as empresas que ganham com a emissão da NFe, o Fisco também tem vantagens. Confira:

  • Instantaneidade das informações dos recibos fiscais;
  • Maior controle;
  • Monitoramento e auditoria dos processos.
Vantagens do emissor Gratuito de NFe