Compras de supermercado são próximo alvo para entregas da Uber Eats 

Portal Hipersuper-Os resultados financeiros da Uber revelados na última semana mostram uma perda de 5,2 mil milhões de dólares devido diretamente às suas operações.

Este é o valor mais elevado alguma vez apresentado pela multinacional norte-americana em termos de perdas operacionais, estando relacionado com testes de novos serviços e parcerias que a Uber Eats tem levado a cabo por todo o mundo.

A empresa quer aproveitar oportunidades “locais” para os serviços online, passando a realizar entregas não só a partir de restaurantes como também de estabelecimentos de retalho alimentar, incluindo supermercados.

“A Uber Eats é, por um lado, um serviço de entrega a partir de restaurantes. Por outro, solucionamos problemas relacionados com o jantar dos consumidores. Se pensarmos assim, restaurantes e supermercados servem as mesmas necessidades”, disse durante uma entrevista Jason Droege, líder da Uber Eats, citado pelo mesmo jornal.

Com uma rede de quatro milhões de condutores, a Uber Eats tem avançado com experiências de operações de entrega junto do retalho alimentar.

Na Europa, a Uber está em conversações com retalhistas como a britânica Sainsbury’s, visando a entrega de refeições preparadas, além das habituais compras de supermercado. O mesmo acontece na América do Norte.

Já em Sydney (Austrália), a empresa levou a cabo no início do ano um projeto-piloto em parceria com um supermercado local da cadeia Coles.

“Os negócios que operam localmente estão a perceber que o e-commerce é ou pode ser um canal eficaz. As conversas com alguns potenciais parceiros têm-nos encorajado no sentido de trabalharmos em conjunto para os trazermos para o online”, concluiu o responsável da Uber Eats.

Outras experiências envolveram gigantes do grande consumo, como a Nestlé e a Unilever, para as quais a Uber Eats procedeu à entrega de “packs” de café, gelado e artigos para bebé, em países como Bélgica ou Brasil.

Segundo os resultados trimestrais da Uber, a divisão de entregas de comida (Eats) registou um crescimento de 72% face ao segundo trimestre de 2018, para uma faturação de 595 milhões de dólares.

O impulso contrasta com a subida de 14% observada pela Uber, em termos globais, para os 3 166 milhões de dólares.

Com os restaurantes registados  a atingirem os 320 mil, a plataforma da Uber Eats nota neste último trimestre um aumento de 140% dos utilizadores ativos mensais, comparando com o ano transato.

 

Baixe a Planilha de Controle de Estoque