QUERO FALAR COM CONSULTOR

Coronavírus: Como restaurantes estão entregando sem contato?

Aprenda sobre a conservação de alimentos com este ebook.

Coronavírus: Como restaurantes estão entregando sem contato?

A chegada do novo coronavírus vem trazendo mudança em todos os setores, comércios, food service, vida social.

Tudo mudou muito rapidamente e por isso, empreendedores precisam se posicionar e pensar em iniciativas que mantenham suas finanças em segurança.

No setor de alimentação, pode haver muita perda de clientes, visto que aglomerações de pessoas devem ser evitadas.

Mas, ao invés de procurar desculpas para fechar as portas e aceitar o fracasso que essa fase está impondo a diversos estabelecimentos, agir é a melhor opção.

Por isso, a iniciativa que parece ser capaz de salvar os restaurantes, bares e lanchonetes da crise, é apostar em delivery.

Mas, como garantir segurança aos entregadores e aos clientes? A melhor maneira é a prevenção, por isso, plataformas do segmento estão apostando nas entregas sem contato. 

Entregas sem contato, o que é?

Essa hipótese de entrega existe por três fatores. O primeiro, é impedir que o estabelecimento quebre; o segundo, é prezar pela segurança do entregador; e terceiro, manter o cliente longe do coronavírus.

Funciona da seguinte maneira: O cliente faz o pedido a partir das plataformas de entrega de  comida convencionais, escolhe a opção de pagamento online para que não haja contato com o entregador.

Após, ele solicita por chat que ele deixe o produto à sua porta. Assim, se tem o mínimo de contato possível com quem está entregando o alimento.

Quem está adotando as entregas sem contato?

A maioria das grandes plataformas de delivery está se posicionando sobre o coronavírus, e fazendo o possível para ajudar os empreendedores mais afetados.

Por isso, é normal que a decisão pela entrega sem contato seja a mais escolhida. Abaixo, veja o que cada app está manifestando sobre essa estratégia de entrega. Confira!

Rappi e coronavírus

No caso da startup colombiana de delivery Rappi, a escolha pela entrega sem contato físico foi imediata.

Muitos setores conseguem trabalhar home office, mas no caso de um negócio de entrega, se torna impossível desempenhar atividades longe do consumidor.

Pensando nos estabelecimentos como restaurantes, bares e lanchonetes, a Rappi deu dicas para ajudá-los a manter seus produtos longe dos vírus. 

Por exemplo, fechar as sacolas com selos de segurança para deixar a embalagem lacrada, impossibilitando que outras pessoas tenham acesso após ela sair da cozinha.

Já pensando em seus entregadores, a Rappi se mostrou bastante preocupada em protegê-los. Uma medida tomada foi a de criar um fundo para compra de álcool em gel e máscaras.

Os itens estão sendo distribuídos para que os entregadores utilizem antes, durante e após as entregas.

O método de evitar ao máximo o contato com na hora da entrega também foi aderido, podendo ser solicitado na hora da compra que o produto seja deixado na porta.

Aos consumidores, a Rappi também se manifestou, dando exemplos de como se prevenir.

Como se prevenir contra o Coronavírus?

Para evitar o contágio da doença, é preciso tomar o máximo de cuidado com a higiene. Confira!

  • Lavar as mãos frequentemente utilizando água e sabão.
  • Usar álcool gel antes e depois de utilizar transporte público
  • Evitar tocar rosto, boca, olhos e nariz.
  • Evitar contato com pessoas doentes
  • Cobrir a boca e o nariz ao tossir ou espirrar (lenço de papel ou antebraço)
  • Evitar apertos de mãos e contato físico antes da higienização.
  • Limpar objetos de uso diário e frequente, como smartphones, computadores e bolsas.

 

Rappi entrega é seu delivery de qualquer coisa. Uma assistente pessoal.

iFood e coronavírus

O  popular iFood também entrou na onda da entrega sem contato. Através do seu aplicativo, deixou a mensagem:

“Se quiser evitar contato com outras pessoas ou estiver com algum sintoma, faça seu pedido com pagamento pelo app e peça, pelo chat, para o entregador deixá-lo na sua porta”.

O diferencial, no caso dessa plataforma, é o fundo criado para remunerar entregadores que necessitam ficar em quarentena por recomendação médica.

No caso de contágio por coronavírus, a empresa também entende que a pessoa precisa de apoio, já que não pode sair de casa.

O valor do fundo é de 1 milhão de pessoas, e deve atender um bom número de entregadores. Para solicitar o auxílio, é preciso ter comprovante médico.

Uber Eats e coronavírus

A Uber também fez bonito e mostrou que além de se preocupar com o próprio lucro, se importa com o sucesso de seus parceiros.

Uma medida que surpreendeu a todos foi que a empresa parou de cobrar a taxa de entrega para restaurantes independentes de alguns países.

No entanto, em seu site, a Uber informa queé possível que ocorra a suspensão temporária de contas de usuários ou motoristas parceiros após a confirmação de que contraíram ou foram expostos ao COVID‑19”.

A empresa também adotou o mesmo sistema do iFood, contribuindo financeiramente com seus motoristas e entregadores em quarentena ou diagnosticados com o novo coronavírus.

O tempo estimado de auxílio é de 14 dias e além disso, está sendo disponibilizado álcool em gel e outros recursos para manter a higiene dos veículos.

Ainda, em seu site é possível ver dicas de prevenção da doença e a solicitação de que todos sigam as recomendações do Ministério da Saúde.

Como as empresas estão lidando com o coronavírus?

Como se pode ver, grandes empresas e startups, não apenas do setor de alimentação, estão se posicionando sobre o coronavírus.

Essa é uma das táticas indispensáveis neste momento de crise e medo que atinge o setor de food service mundial.

E é tão importante falar sobre, justamente pela capacidade das limitações impostas pelo COVID-19 atrapalharem comércios de diversos tipos.

Se opor ao que está acontecendo, causa a impressão de que o seu restaurante não está se importando com nada além do próprio lucro.

Sim, é importante desenvolver medidas para atrair clientes a comprarem com você, mas além disso está a responsabilidade com a saúde pública, que impacta todos os setores.

Portanto, utilize ao máximo todos os veículos possíveis para levar informação e falar sobre as atitudes que seu empreendimento está tendo em relação ao coronavírus.

Sem dúvidas, fazer isso demonstra preocupação, e também que você está atento e sabe como proceder na situação atual.

Dessa forma, as pessoas se sentem mais seguras quanto a sua comida. E cá entre nós, o que a população mais precisa neste momento, é sentir-se em segurança!

Como tomar medidas de cautela no seu restaurante?

Conforme você viu acima, as plataformas de delivery estão fazendo sua parte para ajudar os restaurantes. Mas e você, o que pode fazer para auxiliar as pessoas nesse momento?

Para começar, ter cuidado redobrado em relação a higiene é o ponto principal. Não adianta o entregador cumprir rigorosamente todos os passos, se a comida foi preparada de forma indevida.

Por isso, converse com a sua equipe sobre a responsabilidade deles, sobre o alto risco que pessoas idosas e doentes correm, e sobre a fácil transmissão.

Deixe sempre álcool gel e materiais de limpeza extra, tanto para o local quanto para os funcionários.

Busque uma maneira de evoluir com a crise

Uma boa dica é inspirar-se nas atitudes da Rappi, iFood e Uber Eats, que estão contribuindo com os restaurantes.

Pensando nisso, desenvolva também uma maneira de ajudar pessoas que estão nessa situação vulnerável.

Seja através de descontos, entrega grátis ou folders com dicas de cuidado nessa fase, tudo conta pontos para que essa etapa seja solucionada.

Por fim, é preciso ter em mente que o mais importante no momento é tomar cuidado para que os prejuízos sejam os menores possíveis.

Para isso, é preciso pensar em sociedade, além de ter calma e lidar com os problemas de forma criativa.

Evite a Contaminação Cruzada