QUERO FALAR COM CONSULTOR

Delivery: Coronavirus e o aumento de pedidos online

Aprenda sobre a conservação de alimentos com este ebook.

Coronavirus e o aumento de pedidos online

Os pedidos online explodiram no mundo depois da descoberta da pandemia do novo coronavirus, o COVID-19.

Segundo a empresa de delivery Rappi, só por meio da sua plataforma as vendas cresceram em 10%.

Isso porque a recomendação de várias entidades locais e da Organização Mundial da Saúde é que as pessoas fiquem em casa.

Dessa maneira tendo o mínimo contato com o mundo exterior, garantindo a sua segurança e também da comunidade da qual faz parte.

No entanto o volume de vendas presenciais caiu drasticamente em muitos restaurantes, bares, lancherias e comércio em geral.

Países mais afetados, como China, Itália, Irã e Coreia do Sul começaram a demonstrar os efeitos do coronavirus na economia local.

Desse modo, pequenos estabelecimentos como lanchonetes e restaurantes tiveram que fechar as portas, mesmo que temporariamente.

Portanto, dando prejuízo para os empreendedores e também para seus funcionários, prejudicando assim toda a comunidade local.

A fim de fugir da crise ou buscando reduzir o dano, diversos restaurantes encontraram no delivery uma saída.

Dessa forma, prestar o serviço também contribui para a sensação de acolhimento e ajuda a criar e fortalecer laços afetivos.

Como superar a crise do coronavirus?

No momento é impossível saber ao certo quais serão os impactos econômicos e sociais que a pandemia do coronavirus irá nos deixar.

Mas é possível adotar pequenas ações diárias, que farão com que todo esse período de incerteza não nos desgaste também financeiramente. Confira agora!

Restaurante, delivery durante a quarentena

Se na sua cidade os restaurantes ainda estão abertos, a melhor opção é higienizar suas mesas, balcões, maçanetas e superfícies onde as pessoas tocam com frequência.

No entanto se você desistiu das vendas presenciais e está operando apenas por delivery, saiba que é assim que você pode diminuir os efeitos econômicos da crise do coronavirus.

Enquanto o Brasil ainda tenta entender o que fazer neste período de quarentena, nos países mais atingidos pelo COVID-19 o número de entregas a domicílio explodiu.

Restaurantes, farmácias, supermercados e outros serviços estão utilizando este recurso, muitas vezes por meio de aplicativos, como alternativa para reduzir as perdas.

Então, locais que optarem por essa possibilidade necessitam ter alguns cuidados para sua segurança, de seus funcionários, apoiadores e clientes.

Por isso acompanhe a lista de dicas para superar a crise e transformar seu negócio durante e pós colapso.

Veja como evitar o Coronavírus em seu restaurante.

Cuidados extras com a higiene

Pouco se sabe ao certo sobre o novo coronavirus COVID-19, mas a única certeza é que sua contaminação se dá pelo ar e por superfícies contaminadas.

Então nesse momento a principal indicação é redobrar os cuidados com as questões de higiene.

Por isso, use álcool 70% e desinfetante nas superfícies, e de preferência, máscara para preparar os alimentos e atender os clientes e entregadores.

Além disso é imprescindível lavar as mãos por pelo menos 20 segundos com sabonete para evitar contaminação cruzada.

Quer saber mais sobre o tema? Clique na imagem abaixo e faça o download gratuito do material de conservação dos alimentos.

Com ele você aprenderá a melhor maneira de conservar, estocar e higienizar seus alimentos para evitar a dissipação de germes como o vírus causador do coronavirus.

Não sabe como conservar alimentos? Neste ebook iremos te ensinar!

Se comunique pela internet

Utilizando a internet como principal meio de comunicação você terá um canal aberto diretamente com o seu público.

Então use as redes sociais para fazer propaganda para o seu negócio, já que por conta da quarentena as pessoas não estão saindo tanto de casa.

Neste momento não basta apenas produzir conteúdo para informar sobre suas atividades, é interessante também conseguir utilizar as mídias para entreter.

A quarentena é um período que tende a deixar as pessoas muito preocupadas, e você pode contribuir para o seu bem estar. 

Certamente isso será um diferencial para o seu restaurante e depois da quarentena, pode levar diversas pessoas para consumir no seu estabelecimento.

Serviço de qualidade

Ao mesmo tempo que o coronavirus se espalha com facilidade, você e sua equipe necessitam estabelecer processos.

Por exemplo, definir que a cada preparo é necessário fazer a higiene, ou que cada vez que entrar em contato com um produto ou objeto não esterilizado é necessário lavar as mãos. 

Dessa maneira seus preparos estarão livres de coronavirus e seguro para seus clientes degustarem.

Mas não se esqueça das embalagens. É realmente muito importante que seus pratos estejam seguros também durante o trajeto até a casa do comprador.

Assim será necessário utilizar embalagens que vedem muito bem e que impeçam que germes contaminem a comida.

E isso vale não somente para o coronavirus, mas para germes e bactérias em geral.

Empatia e solidariedade

Se o seu cliente e ou fornecedor não quiser ter contato físico, não contrarie e busque alternativas ao seu alcance para respeitar essa decisão.

Assim como se observar alguma situação na qual consiga ajudar, faça. Pense que todo o bem que fazemos para os outros retorna para nós mesmos de alguma maneira.

Por isso não deixe de ajudar a sua comunidade seja se oferecendo para fazer pequenas ações diárias ou servindo refeições ao fim do dia para moradores de rua.

Certamente isso trará visibilidade para o seu restaurante e fará com que mais pessoas sintam vontade de frequentar seu estabelecimento.

Mesmo que seja um período difícil para o seu negócio, é importante se mobilizar e entender que mais do que nunca, é hora de ser solidário e se colocar no lugar do outro.

Preços justos

Não se aproveite desse momento de crise do coronavirus para tentar lucrar e superfaturar o preço dos seus pratos e lanches.

Diversos locais estão colocando os preços dos produtos nas alturas por conta da alta procura, mas já foi alertado que quaisquer preços abusivos serão denunciados.

Por isso, evite multas e problemas judiciais com clientes e faça o que é certo! 

No entanto caso aconteça algum reajuste com seus fornecedores, informe aos seus clientes a razão do aumento.

Então se eventualmente você também for cobrado de maneira indevida, não deixe de denunciar para evitar o efeito cascata que certamente afetará o comprador final.

Recomendações dos aplicativo de delivery sobre o coronavirus

Os aplicativos de delivery estão dando recomendações para seus usuários, restaurantes parceiros e também para entregadores.

Confira agora as dicas das principais plataformas de pedido online para escapar do coronavirus.

Uber Eats

A recomendação mais importante da Uber, app de transporte privado responsável pela Uber Eats, é que seus motoristas tenham cuidado consigo mesmos e com os demais.

Por isso, manter seus carros higienizados, ter álcool gel e se possível, máscaras ao realizar as entregas.

No entanto a recomendação para restaurantes e atendentes é também se higienizar com frequência e lacrar da melhor maneira possível os pratos.

Ao mesmo tempo que para usuários foi sugerido a possibilidade de solicitar para o motorista a entrega sem contato.

Entretanto esta função só é possível com o pagamento online pelo aplicativo. Assim, o pedido pode ser deixado na portaria ou na porta da sua casa.

Rappi

A Rappi também se posicionou sobre o coronavirus COVID-19 e recomendou aos seus entregadores e usuários o máximo de cuidado possível.

Entendendo a necessidade de conscientização por meio de seus motoristas a empresa passou a distribuir kits com máscaras, álcool gel e desinfetante.

Além disso a Rappi também aderiu a campanha ‘entrega sem contato’ e incentivou colaboradores e usuários a solicitarem no momento da compra pelo app.

iFood

Assim como as demais plataformas, o iFood aderiu de maneira muito ativa ao combate à mutação do coronavirus, o COVID-19.

A recomendação da empresa é que clientes que apresentem os sintomas optem pela opção entrega sem contato na qual o pagamento é feito online.

Além disso, o usuário do app é notificado na tela por um lembrete sobre o coronavirus. Confira!

O que sabemos sobre o coronavirus COVID-19?

Até o momento o coronavirus ainda é uma incógnita para a sociedade como um todo, já que sua origem não é conhecida e muitas informações são desconexas.

No entanto o que se sabe é que os primeiros casos do conoravirus COVID-19 surgiu na província de Hubei, mais especificamente na capital Wuhan.

Em pouquíssimo tempo o vírus continuou se espalhando por outras cidades, até que ultrapassou as fronteiras do país.

Recentemente o COVID-19 foi classificado como pandemia pela OMS, e isso significa que o contágio da doença infecciosa ultrapassaram os níveis de epidemia.

COVID-19: sintomas do coronavirus

O coronavirus apresenta sintomas muito similares a quadros de gripes comum. Porém o COVID-19 ataca o sistema respiratório de forma agressiva podendo levar à morte.

Por isso fique atento aos sintomas principais que caracterizam a doença e ao apresentar os sintomas, utilize máscaras para evitar o contágio e avise às pessoas ao seu redor.

Sintomas principais

  • Febre alta;
  • Tosse;
  • Diarréia;
  • Dificuldade para respirar.

Sintomas possíveis

  • Espirro;
  • Dores de cabeça;
  • Dores no corpo;
  • Dor de garganta.

Tenho os sintomas do coronavirus, e agora?

Não se desespere! A principal coisa a se fazer – caso você não faça parte dos grupos de risco – é cuidar da febre e tomar as devidas precauções para evitar contágio.

No entanto se você faz parte do grupo de risco, procure um hospital. Mas lembre-se, sempre usando os equipamentos de proteção.

Quais são os grupos de risco para o coronavirus COVID-19?

Segundo a OMS os principais grupos de riscos são os portadores dos seguintes problemas de saúde:

  • Asmáticos;
  • Cardíacos;
  • Diabéticos;
  • Doentes renais;
  • Fumantes;
  • Hipertensos.

Para saber informações precisas e em tempo real, baixe o aplicativo Coronavírus – SUS. O app é disponibilizado para IOS e Android pelo Governo do Brasil.

Caso tenha sido infectado e não sabe o que fazer, você pode ligar para 136. Este número corresponde à central responsável por dar informações sobre os procedimentos.

Resumo

Contaminação cruzada