QUERO FALAR COM CONSULTOR

Fluxo de caixa indireto: Como utilizar?

Estamos aqui para ajudar você com o fluxo de caixa do seu restaurante.

Fluxo de caixa indireto: Como utilizar?

Para utilizar o fluxo de caixa indireto, é preciso selecionar um período inicial e final para que as finanças sejam avaliadas de acordo com o controle de caixa.

Para isso, você precisa ter familiaridade com o controle de caixa do seu negócio, e também saber como calcular o DRE e o BP.

Então, existem várias maneiras de fazer essa função e manter o controle de fluxo de caixa em dia evita uma série de problemas com o seu orçamento.

Por isso, a Saipos criou esse artigo para te ensinar os principais pontos sobre fluxo de caixa indireto, o único que te ajuda realmente a desenhar uma estimativa financeira a longo prazo.

Portanto, fique atento às dicas e confira como incluir esse modelo de controle no seu estabelecimento!

O fluxo de caixa indireto oferece muitas vantagens para o seu negócio.

Como fazer o fluxo de caixa indireto?

Para utilizar  o fluxo de caixa indireto é necessário ter o balanço patrimonial da empresa no início e no final do período que quer analisar. 

Depois, é necessário calcular a variação de cada uma das despesas ativas e passivas. Veja:

1. Faça o cálculo referente às contas do ativo e do passivo do BP de referentes ao início e fim de um período;

2. Então, partir do lucro líquido, faça os ajustes do caixa como, por exemplo, a depreciação e demais contas de baixo impacto;

3. Insira as variações obtidas no passo 1, na estrutura do fluxo de caixa indireto, de acordo com o seu grupo de destino (operacional, investimento ou financiamento);

4. Mas, ao lançar dados sobre empréstimos, lembre-se de inserir taxas e juros, pois, eles também agem no processo de movimentação do caixa;

5. Faça a somatória dos grupos (respeitando o sinal de cada lançamento) e, ao final, faça o somatório final.

6. Então, primeira coisa a se fazer na hora de  montar o relatório de fluxo de caixa indireto é calcular a variação das contas, veja no exemplo abaixo como fazer isso:

Cálculo de ativos

12/2018

12/2019

Variação

Disponível R$5.000 R$6.000 = R$1.000
Duplicatas em aberto R$15.000 R$25.000 = R$10.000
Estoque R$55.000 R$80.000 = R$25.000
SOMA R$75.000 R$111.000 = R$36.000

Gastos permanentes

12/2018

12/2019

Variação

Investimentos  R$5.000 R$6.000 = R$1.000
imobilizado R$60.000 R$85.000 = R$25.000
SOMA R$65.000 R$91.000 = R$26.000
Total de ativos R$ 140 R$202.000 = R$62.000

 

Cálculo de passivos

12/2018

12/2019

Variações

Fornecedores de produto R$15.000 R$25.000 10.000
Gastos com pessoal, benefícios e tributos R$10.000 R$10.000
Empréstimos R$30.000 R$30.000
Outros gastos fundamentais R$7.000 R$7.000
Total R$25.000 R$72.000 R$47.000

Lembre-se: Sempre que uma variação liberar algum recurso para o seu caixa,  ela entra como sinal positivo. 

Mas, pelo contrário, sempre que ela diminuir recursos do fluxo de caixa, ela entra com o sinal negativo.

Portanto, fique atento, para que o seu controle de fluxo de caixa indireto seja confiável, e você possa se basear nele para acompanhar suas finanças, é preciso ter dados certeiros.

Por isso, muitas vezes a soma feita unicamente através de planilhas pode acabar causando algum erro, o que é comum quando se lida com uma grande quantidade de números.

Nesse caso, é interessante avaliar a possibilidade de usar alguma ferramenta automatizada, como aplicativos ou sistemas de gestão que atuem com o controle de fluxo de caixa.

O que é o fluxo de caixa indireto?

O fluxo de caixa indireto está relacionado às informações contábeis da empresa. Com ele, é possível analisar mudanças de faturamento em um determinado período.

Mas, não pense que esse modelo de fluxo de caixa não considera as entradas e saídas. Pelo contrário, ele vai além. 

Isso porque, o método de fluxo de caixa indireto pode ser considerado uma ferramenta para analisar o desempenho econômico do negócio.

Então, para isso, ele utiliza o DRE (Demonstrativo de Resultados do Exercício) e o BP (Balanço Patrimonial). 

Mas, o que é DRE e BP?

O DRE é um tipo de relatório que demonstra as operações feitas pela empresa. 

Nele aparecem os gastos a serem pagos, receitas, investimentos, custos e previsões de faturamento,  esclarecendo o montante líquido da empresa no momento atual.

No entanto,  o BP existe para esclarecer a situação financeira de uma empresa de acordo com o período selecionado. 

Inclusive, nele aparecem os  bens, direitos e obrigações, além do  patrimônio líquido, que é calculado através da diferença entre os ativos e passivos. 

Nesse caso, chamamos de ativos os bens que a empresa já possui, como maquinários, itens em estoque. Os passivos, são gastos feitos, como empréstimos, impostos e contas a pagar.

Quais as vantagens de usar o fluxo de caixa indireto?

O uso do fluxo de caixa indireto pode beneficiar a empresa de diversas formas. Veja algumas das vantagens de utilizá-lo: 

  • Permite análise de todos os aspectos que envolvem o caixa e equivalentes;
  • Permite análise de efeitos de empréstimos, investimentos e financiamentos;
  • Ajuda na diferenciação de lucro e caixa gerado;
  • Facilita a visualização de resultados da empresa.

Mas, se o fluxo de caixa indireto é tão positivo para o negócio, por que tantas pessoas o desconhecem? 

Na verdade, o que acontece é que grande parte das pessoas encontram dificuldade para realizar esse controle.

No entanto, isso acontece porque, ele realmente é um pouco diferente do habitual.

Mas, isso não quer dizer que um esforço a mais não possa tornar o uso desse método possível, viu?

Qual a diferença entre o fluxo de caixa indireto e direto?

Alguns dos diferenciais entre os dois modelos de fluxo de caixa, é que o fluxo de caixa indireto é mais simples, podendo ser calculado quase apenas com o BP e DRE.

Com ele, também possível analisar variações não apenas a curto prazo, um diferencial quando comparado com fluxo de caixa direto.

Mas a maior diferença, no entanto, é que o fluxo de caixa indireto se refere a parte operacional, relacionada também aos investimentos e financiamentos.

Enquanto isso, o direto se refere aos pagamentos, entradas e saídas e vendas gerais.

Portanto, lembre-se que utilizar o controle de fluxo de caixa indireto também ajuda a prever problemas financeiros que poderão acontecer a médio e longo prazo.

Por isso, com essa estimativa, é possível solucionar um problema financeiro antes que ele vire uma bola de neve.

Resumo

Baixe Materiais Gratuitos