QUERO FALAR COM CONSULTOR

Nova Previdência: o que muda para quem é MEI?

Conteúdo Tecnomundo- A popularização da internet trouxe uma enorme vantagem para vários profissionais: a possibilidade de realizar suas atividades de casa ou de qualquer outro lugar, prestando serviços para clientes sem depender de um chefe ou empresa específica.

E uma das melhores maneiras para começar a empreender é se tornar um Microempreendedor Individual (MEI).

Com esse registro, você passa a ter direito a um CNPJ e garante facilidades como abertura de conta bancária, emissão de notas fiscais e pedidos de empréstimos diferenciados.

É uma forma de desburocratizar a criação de empresas e garantir que profissionais autônomos fiquem regularizados.

Com a chegada da Nova Previdência, muita gente está se perguntando se a contribuição do MEI será alterada.

Se você trabalha nesse regime, pode ficar tranquilo, pois são poucas as mudanças e elas são bem fáceis de compreender.

Vamos passar por cada uma delas? Assim você pode conferir os detalhes e formar sua própria opinião.

Mudanças para quem é MEI

No regime atual, o MEI deve contribuir todos os meses ao INSS com o valor de 5% do salário mínimo somado às taxas de ISS e ICMS, que podem variar entre R$ 1 e R$ 6, dependendo da atividade.

Nada disso mudará com a Nova Previdência. A alíquota de contribuição para o MEI continuará sendo a mesma, sofrendo alterações apenas quando houver reajuste no salário mínimo, como já acontece atualmente.

Com esse pagamento, o MEI garante todos os benefícios aos quais tem direito, como auxílio-doença e salário-maternidade, pensão por morte e auxílio-reclusão.

Além disso, nada impede o MEI de exercer outra profissão e recolher a contribuição previdenciária de ambas as atividades.

Esse é apenas um dos exemplos de como a Nova Previdência foi feita para combater as desigualdades.

Todas as classes trabalhadoras participarão. Sem privilégios. Mas, com ela, quem ganha menos pagará menos e quem ganha mais pagará mais. Essa é a verdade.

 

Baixe o e-book de 5 Dicas para ajudar seu restaurante na crise